Programa Impacto Music com Fernando do Vale

Ao Vivo de segunda à sexta das 22h às 00h na Rádio Power Strike - A Inovação da Música!

domingo, 19 de junho de 2011

Como as serpentes suportam tanto tempo sem alimento?

As serpentes são animais que, em geral, se alimentam com uma frequência baixa. Em ambientes onde pode existir pouca disponibilidade de alimentos, como desertos, savanas africanas e mesmo a Caatinga do Brasil, não é incomum que elas enfrentem longos períodos sem se alimentar. Exemplos de espécies de serpentes que passam até 6 meses sem alimento não são raros e algumas delas podem ocasionalmente sobreviver até dois anos sem uma única refeição! Como podem suportar tanto tempo sem comer?


Todos os animais tem mecanismos para resistir a algum período de privação de alimento, mas as serpentes conseguiram levar a resistência a fome a um outro patamar. Grande parte das serpentes apresenta, naturalmente, uma das taxas metabólicas mais baixas entre os vertebrados, o que já explicaria a capacidade de armazenar energia e se manter ativa mesmo consumindo pouquíssimo alimento durante um longo período (um único rato pode alimentar uma cobra de 1,5 m por semanas).

Mas não é só isso! Muitas serpentes são capazes de sobreviver vários meses sem alimento, pois, quando a comida acaba, elas tem capacidade de diminuir ainda mais seu metabolismo. Algumas espécies de cascavel do deserto americano reduzem seu metabolismo (que já é baixo) em até 80 por cento! E não para por aí! As serpentes possuem estruturas especializadas em reservar gordura. Esta energia acumulada na forma de lipídios é utilizada durante os períodos de privação de alimentos. Mesmo após digerir toda a reserva de gordura estes animais podem começar a utilizar de suas proteínas como fonte de energia.

O mais incrível é que mesmo sem se alimentar por um longo período as serpentes continuam crescendo! Os cientistas procuram uma explicação para este fenômeno, acredita-se que isso possa ter relação com alguma pressão evolucionária que favoreça as serpentes mais longas.

Por diminuírem dramaticamente um metabolismo que já é baixo por natureza, por se “alimentarem” delas próprias de dentro para fora e por ainda assim continuarem crescendo, as serpentes definitivamente podem ser consideradas o extremo da tolerância a fome no reino animal!

Um pouco sobre a ectotermia: Temperatura corporal nos Répteis

Uma característica marcante dos répteis é a ectotermia. Esta palavra, que pode lhe parecer estranha, significa, trocando em miúdos, que o ganho de temperatura corporal do animal ocorre através de fontes de calor externas. Neste caso, todo o calor presente no corpo de um réptil provém do meio no qual o indivíduo se encontra. Estas fontes de calor podem ser a radiação solar que incide diretamente sobre o corpo do animal, ou aquela que é refletida por rochas, areia ou até mesmo galhos de uma arvore. Por exemplo, não é incomum encontrar na natureza algumas espécies de lagartos com a temperatura corporal igual a 39°C (lembrando que o ser humano regula sua temperatura corporal em torno dos 36°C) ou seja esses animais não possuem “sangue frio” como se costuma dizer.

Por este motivo muitos pensam que a temperatura desses animais deva corresponder exatamente àquela encontrada no meio. Entretanto, grande parte das espécies lançam mão de mecanismos comportamentais que permite a regulação da temperatura corporal, de modo que ela varie pouco. Os lagartos, por exemplo, ajustam a posição do corpo em relação aos raios de sol, com isso podem aumentar ou diminuir a área de superfície corporal que recebe os raios do sol. Assim, quando precisam de maior quantidade de calor expõe uma parte com maior superfície ou, do contrário, quando necessitam ganhar menos calor expõe superfícies com menores áreas corporais. Um outro comportamento adotado por lagartos é regular o grau de achatamento em relação ao substrato. Quando muito frio é comum ver esses animais com o ventre totalmente em contato com o substrato que ele ocupa, seja uma pedra ou até mesmo paredes e muros nas grandes cidades. Também é comum que o animal alterne a permanência entre áreas sombreadas e ensolaradas.

Temperatura corporal de T. hispidus e as temperaturas do meio (rocha e ar ambos sob sol). Figura modificada de Vitt et al. 1996. J. Tropical Ecology 12:81-101

As serpentes tendem a escolher ambientes onde as temperaturas são mais adequadas para seu metabolismo e podem também utilizar de modificações em posturas corporais ou na posição em que se encontram em relação a fonte de calor. O controle da temperatura corporal através de produção própria de calor é incomum nos répteis, contudo ela ocorre na espécie Dermochelys coriacea, conhecida como tartaruga-de-couro nas serpentes pitons.

Não fosse pelo processo de regulação da temperatura corporal – o que tecnicamente se chama termoregulação- a temperatura dos répteis tenderia a subir conforme as temperaturas ambientais aumentassem. Contudo o que se nota é que ela relativamente estabiliza em um determinado valor. Este valor de temperatura é considerado como aquela ideal para grande parte das reações metabólicas que acontecem no corpo do animal.

A temperatura do meio tem implicações importantes para a vida de um animal ectotérmico. A escolha de sítios com melhores condições termais pode implicar em maiores taxas de crescimento e melhor funcionamento metabólico, um processo determinante na vida destes animais.

Sobre o tipo de dentição das serpentes

As serpentes formam um grupo bastante diverso ocorrendo em quase todos os ambientes da terra. Estes animais só não habitam os pólos do planeta que não são lá lugares muito convenientes à vida de um animal ectotérmico.

Os diferentes grupos de serpentes desenvolveram ao longo de suas histórias evolutivas diferentes táticas de captura de presas. Associado a isso houve o desenvolvimento de diferentes tipos de dentições, cada uma com diferentes características de mordida. Existem quatro tipos de dentições básicas nas serpentes: áglifa, opistóglifa, proteróglifa e solenóglifa. Vamos vê-las um pouco mais detalhadas agora.
Encontrada principalmente em serpentes da família dos boídeos (Boidae), a dentição áglifa (Figura 1) não conta com dentes especializados em inocular veneno, servindo somente para rasgar tecidos e orientar a entrada da presa para o estômago. Ao invés da presença de uma glândula com toxina, apresentam uma glândula de saliva que libera uma substância que lubrificará o inicio do trato digestório facilitando assim a deglutição.

A dentição opistóglifa (Figura 2) é encontrada principalmente em serpentes da família dos colubrídeos (Colubridae) e dos dipsadídeos (Dipsadidae). Além de dentículos especializados em rasgar os tecidos da presa, apresentam também um par de dentes localizados posteriormente na boca com intuito de perfurar profundamente o tecido da presa e inocular, através de escorrimento e por canais abertos, o veneno produzido pela glândula de Duvernoy. Alguns preferem chamar esse veneno de “saliva tóxica”, pois ele não oferece risco ao ser humano, atuando principalmente como um metabólito (proteolítico) que facilitará na digestão das proteínas presentes na presa.

Por sua vez, a dentição proteróglifa (Figura 3) é encontrada nas serpentes da família da Coral-Verdadeira, os elapídeos (Elapidae). Neste tipo de dentição o dente inoculador localiza-se na parte anterior da mandíbula. Seu mecanismo de mordida é simples, a serpente morderá ( não picará, visto que ela terá que se segurar na presa) e liberará a peçonha por um canal semi-aberto que escorrerá vindo da glândula de peçonha até o dente inoculador penetrado na presa. São serpentes que têm dificuldade para morder uma pessoa, uma vez que sua boca é pequena

No Brasil, os principais representantes das serpentes com dentição solenóglifa (Figura 4) são as aquelas pertencentes a família dos viperídeos (Viperidae), as jararacas, cascavéis e surucucus. Neste tipo de dentição existem duas presas especializadas, móveis e capazes de projetar uma mordida de grande abertura. As presas ficam guardadas por uma membrana fina quando não estão em uso. Quando a serpente está pronta para dar o bote em sua presa essa membrana se afasta, as presas se projetam 90 graus para frente de modo que a picada injetará o veneno através de canais fechados desde a glândula de veneno até o tecido da vítima. O mecanismo da picada é muito semelhante ao de uma seringa de injeção e muito eficaz também. Neste caso o veneno é inoculado ativamente no tecido da presa sem que seja necessário escorrer por um canal até o tecido da vítima como no caso das opistóglifas ou proteróglifas.

Cobra que bebe leite? Um pouco mais sobre a Pseudoboa nigra, a cobra preta!

A serpente Pseudoboa nigra (Família Dipsadidae) mais conhecida como muçurana ou cobra preta foi descrita pelo pesquisador Vital Brasil. É uma espécie ofiófaga, ou seja, se alimenta de outras serpentes. Portanto, é capaz de resistir ao veneno de serpentes como jararacas (Bothrops) e cascavéis (Coudisona), contudo não possui resistência para o veneno das corais (Micrurus) isto provavelmente pela forte ação neurotóxica.

" A Cobra que bebe leite"

Ao nascer a Pseudoboa nigra apresenta coloração avermelhada com a cabeça preta, mas ao decorrer do amadurecimento do animal vai mudando a coloração, o que serve como uma das bases de uma lenda bastante conhecida.

Quem já não ouviu falar que algumas mulheres em fase de amamentação dizem que enquanto dormiam, a serpente se aproximava e introduzia sua cauda na boca do bebê, para que este não chorasse, se aproveitando para mamar no seio da mulher, conforme a serpente ingeria o leite sua coloração ficaria esbranquiçada.

Alguns visitantes do NUROF-UFC afirmam (com testemunhos) que as crenças na lenda tem forte apelo e que algumas mulheres gestantes, ao verem uma muçurana, só conseguem ter sossego após o animal ser morto, com medo de que ele venha a “beber” seu leite materno. Não podemos esquecer de algumas características biológicas marcantes dessas serpentes como por exemplo: as serpentes não apresentam a enzima lactase para digerir o leite, além do mais nenhuma serpente é dotada das adaptações no crânio necessárias para realizar a sucção como fazem os bebês humanos (e de outros mamíferos).

Como e por que o leite provocaria a mudança na cor da pele da cobra? Conhece alguém que ganhou alguma manchinha branca por gostar de leite? O fato de algumas muçuranas possuírem coloração branca é devido ao albinismo que ocorre em alguns animais, não estando ligado à quantidade de leite ingerido.

Os mitos e lendas são testemunhos culturais ricos e não se sabe ao certo onde e por que surgiram da forma como ouvimos atualmente. Não se esqueça de pesquisar e conhecer a biologia do animal e a cultura de cada região, somente assim poderá compreender algumas raízes que cercam esses pensamentos!

Existe diferença entre tartaruga, cágado e jabuti?

Muitas pessoas se perguntam se há alguma diferença entre cágados, tartarugas e jabutis. Primeiramente, convém responder que sim. Há algumas características que definem cada um desses belos animaizinhos cascudos. Então, essa é a sua oportunidade de entender um pouco mais quem é quem e nunca mais se confundir.

As tartarugas são animais que vivem no mar. Elas possuem membros (ou “patas”) modificados em forma semelhante a um “remo” para que possam nadar com mais facilidade. Elas não possuem unhas e seu corpo é um pouco achatado facilitando, assim, seus movimentos dentro d’água. Para finalizar, convém dizer que elas vêm a terra apenas para reproduzir.

Os jabutis, por sua vez, são animais totalmente terrestres, indo a corpos d’água apenas para se refrescarem e beberem água. Seus membros são semelhantes a “patas” de elefantes e possuem unhas para facilitar a locomoção em terra firme. É importante frisar seu hábito terrestre, sendo, assim, péssimos nadadores.

Por fim, os cágados são animais que vivem (em sua GRANDE maioria) em água doce. Entretanto, seus membros são adaptados para que eles também consigam se mover bem em terra firme. Suas patas possuem membranas interdigitais (uma membrana que fica entre os dedos a qual aumenta a área superficial do membro) e unhas, possibilitando assim que eles possam nadar e andar com eficiência. Alguns também possuem o corpo um pouco achatado, o qual facilita o nado.Estes animais também colocam seus ovos em terra firme.


segunda-feira, 25 de abril de 2011

sexta-feira, 11 de março de 2011

Power Destaque: Britney Spears - Till The World Ends

Capa do single

No Power Destaque dessa semana: Britney Spears - Till The World Ends. Britney Spears está a todo vapor na divulgação do álbum Femme Fatale. A nova música se chama Till The World Ends e é uma composição da cantora Ke$ha.

"Me considero uma compositora antes de qualquer coisa. Então é uma honra escrever para um dos maiores ícones pop. Espero que leve todo mundo à pista porque você sabe que é isso o que faço de melhor", contou Ke$ha em entrevista para a MTV.


Rádio Power Strike - A Inovação da Música!


Por : Fernando do Vale / @_fernandodovale